EMEI Jardim Monte Belo – um lugar pra ser feliz!

Arquivo para a categoria ‘Agenda’

DIA DA MULHER – UM DIA DE LUTA

     

  Por Professora Karina Cabral             

CARTA ÀS FAMÍLIAS Nº 1 / 2016

08 DE MARÇO – DIA INTERNACIONAL DA MULHER

               O dia 08 de março é muito mais que um dia para ganhar elogios vazios, flores ou chocolates. É um dia para lembrar uma luta histórica e não terminada contra a opressão da mulher, em todos os lugares do mundo.

A situação da mulher ainda é triste e injusta. Em nosso país – o sétimo do mundo onde mais se assassinam mulheres – a cada 15 minutos, uma mulher é agredida, geralmente por alguém que ela conhece e confia. As mulheres ganham salários menores que os homens exercendo a mesma função, mesmo estudando, em média, dois anos a mais. Ainda, quando engravidamos ou quando um filho ou filha nosso adoece e precisa ser levado ao médico, somos mal vistas por nossos chefes – a maioria, homens. Trabalhamos em casa e fora de casa, muitas vezes sem a ajuda de ninguém. Somos o tempo todo julgadas por tudo que fazemos e pensamos. Em um mundo pensado e construído sob a ótica do homem, somos desrespeitadas e chacoteadas ao falar nossa opinião, ao dirigir, ao escolher a roupa que vamos vestir, ao caminhar na rua. A mídia e a cultura em que vivemos nos dizem que nosso cabelo, nossa pele, nossas rugas, nossos quilos a menos ou a mais, nosso jeito de corpo não é bom e precisa ser mudado para se adequar a padrões impossíveis, e sofremos tentando ser aceitas. Em muitos lugares do mundo, mulheres ainda não podem votar, trabalhar, estudar, sequer mostrar o rosto, e são mutiladas, violentadas, espancadas, humilhadas, apedrejadas, torturadas, diminuídas. Por tudo isso, nossa luta contra a opressão ainda é grande.

Opressão é toda força maior que nos obriga a fazer algo que não queremos fazer, dizer o que não queremos dizer, ser o que não queremos ser, calar quando precisamos falar. Opressão é aquilo que nos humilha, nos maltrata, nos faz sentir pequenas, tristes, angustiadas… O que nos machuca, por dentro e por fora. Quem é oprimido se sente apertado, colocado contra a parede… Estragado. A opressão que vem de fora acaba construindo em nós um sentimento que passa a vir de dentro. De tanto sermos tratadas como um lixo, começamos a achar que merecemos isso, que o mundo é assim mesmo, que a pessoa que nos faz mal, na verdade, não é tão ruim assim, que o sofrimento é comum… E que não podemos ser felizes do jeito que pensávamos. Aos poucos, vai morrendo a força para lutar contra aquilo que oprime.

A opressão vem da cultura, da mídia, da televisão, da igreja, da escola, da política, do nosso trabalho, de pessoas que nunca vimos. Mas, dói mais a opressão que vem de nossos maridos ou companheiros, nosso irmãos, nossos pais, nossos filhos e também de outras mulheres que conhecemos, amamos e confiamos. Contra esses, dói muito resistir e perceber.

Amanhã é um dia de luta e reflexão sobre a condição feminina. Se você é mulher, esperamos que você pense e consiga identificar, em sua vida, aquilo que faz mal a você, que oprime e tira a sua liberdade, e consiga buscar alternativas, força e motivos para lutar contra isso, inclusive se unindo a outras pessoas que estão nessa luta também. E se você é homem, esperamos que você também reflita e consiga pensar em um jeito mais igualitário de viver, homens e mulheres, lado a lado, nas mesmas condições de pessoas inteiras que somos.

Em nossa escola, educamos as meninas e meninos com essa visão – tentando ensinar a elas e a eles que todos são livres, que todos têm direitos e merecemos ser respeitados como pessoas, sendo homens ou mulheres. Partilhamos disso com vocês e parabenizamos a todas as mulheres que lutam e se esforçam para ser, a cada dia, mais felizes consigo mesmas e com o mundo onde vivem.

Educadoras da EMEI Jardim Monte Belo

Anúncios

O NOSSO DESEJO PARA 2014

BEM VINDAS, PESSOAS!

Por Professora Karina Cabral

Pessoas, sejam bem vindas a nossa escola!

A EMEI Jardim Monte Belo foi feita para os filhos e filhas de vocês. É uma escola pública, que todos pagamos com nossos impostos. Ela tem salas de aulas que são feitas para crianças pequenas – por isso, nessas salas, os móveis, os brinquedos, a disposição dos espaços – tudo isso foi pensado para elas. Aqui tem lugar para comer, para brincar sob o sol, para se molhar. Tem banheiros, tem corredores, tem pátio, quadra, ateliê de artes. Quem sabe consigamos fazer um jardim ou uma horta, pintar os muros e torná-la mais bonita. Mas ela já é linda. Tem livros, muitos livros. E brinquedos. Lugares onde as crianças podem se movimentar com liberdade e descansar, quando quiserem. Um lugar que é nosso, de todos nós.

Pessoas, sejam bem vindas em nosso grupo.

Aqui trabalham pessoas. Uma equipe que educa. Não importa se estamos assinando papéis, atendendo telefone, dirigindo uma perua, cuidando do portão, cozinhando, limpando, falando com as crianças na sala de aula, resolvendo problemas – estamos sempre trabalhando pelas crianças. Nós somos pessoas, e como pessoas, temos uma identidade, um jeito de ser, uma história, uma formação. E nós gostamos de pessoas. Não importa a cor da sua pele, a sua religião, a sua idade, o seu estilo de vida, não importa como é a sua família ou o lugar de onde você veio. Fazemos questão de que, aqui, todos os meninos e meninas sejam tratados com respeito por serem crianças… Por serem pessoas.

Pessoas, sejam bem vindas para partilhar das nossas ideias.

Acreditamos em muitas coisas, e queremos que, aos poucos, vocês compartilhem dessas crenças também. Defendemos a infância, o direito da criança ao brincar, o acesso dos pequenos e pequenas à cultura, à ciência, à convivência pacífica, à alegria. Não estamos só preocupadas em fazer uma escola onde a criança aprenda ou decore coisas, mas estamos preocupadas em dar a elas momentos onde possam se apaixonar pelo conhecimento e vencerem o desafio de conhecer a si mesmas e outros seres humanos.

Pessoas, sejam bem vindas para somar na nossa militância.

Acreditamos em gestão democrática. E isso significa que lidamos com transparência e respeito com as famílias. Queremos vocês aqui dentro tirando dúvidas, participando do Conselho de Escola, verificando as contas financeiras, dando a opinião de vocês. Queremos que vocês compreendam como as coisas funcionam, que se coloquem, que lutem conosco quando for necessário, que busquem o direito de seus filhos e filhas a uma educação de qualidade.

Pessoas… Sejam todas bem vindas ao nosso sonho.

O sonho de uma escola onde seu filho ou sua filha possa aprender, conviver e ser criança em plenitude. Nem sempre vamos acertar. Mas queremos você conosco. Agradecemos a sua confiança… E nos colocamos abertas ao diálogo. O nosso sonho é uma escola de qualidade que a gente construa juntos… E, a partir de agora, vocês estão convidadas a sonhar conosco.

Bem vindas, pessoas!

Um ótimo 2014 para nós.

DIA DA MULHER – FELIZ TODOS OS DIAS!

Por Professora Valéria Marques Mendes

No último dia da mulher, para comemorar e homenagear, a professora Valéria nos presenteou com uma bela reflexão escrita, entregue a todas as famílias, sobre o papel da mulher na sociedade e sobre a luta diária de todas nós para superarmos a desigualdade e o preconceito. Dividimos isso aqui no blog também! 🙂

DIA 08 DE MARÇO, DIA DAS MULHERES…

Feliz Todos os Dias!

Por Professora Valéria

Já ouvi muitas vezes as pessoas dizendo por que DIA DA MULHER? Tem que ter essa comemoração mesmo? O nosso (dia dos homens) é todo dia…

A verdade é que todos/as nós, mulheres e homens fomos educados/as para acreditar que a mulher é inferior, que tem apenas deveres, e nada de direitos …

Essa visão de que a mulher é fraca, que não é capaz, também foi ensinada por muito tempo, mas sabemos (eu sei e você também), que não é bem assim. Hoje nós votamos, trabalhamos (dentro e fora de casa), ocupamos cargos importantes de decisão, e temos até uma Presidenta!

Todas as mulheres são importantes, assim como todos os homens. É na relação igualitária (lado a lado), em casa, no trabalho, na rua, no transporte público, no carro, é que vamos construindo e vivendo como pares de direitos e deveres.

Aqui em nossa escola, somos todas educadoras, batalhadoras, sonhadoras e acreditamos numa educação baseada na construção de uma sociedade justa e com equidade nas relações humanas entre homens e mulheres, independente de sua sexualidade, sua etnia e sua fé. É no encontro com outras pessoas que chegaremos à sonhada civilização do bem viver.

O dia 8 de março não é apenas uma data comemorativa, mas um dia para se firmarem discussões que descontruam os preconceitos frente o papel e importância da mulher no mundo.

Um ótimo Nosso (todo) dia, Mulheres da comunidade Jd. Monte Belo!
 

           VOCÊ SABIA?

História do  8 de março…

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma   fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram   uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores   condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para   dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de   salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do   salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento   digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência.   As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada.   Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente   desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma   conferência na Dinamarca, ficou   decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da   Mulher”, em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas   somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Objetivo da Data

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas   comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e   reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O   esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito   e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem,   em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva   de trabalho e desvantagens   na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser   modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras

Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932   foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o   voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de   reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos   no executivo e legislativo.

 

 

 

ARRAIAL MONTE BELO!

Este slideshow necessita de JavaScript.

É junho chegando, eita trem bão!

É mês de festa, de comemoração!
Bandeirolas, bexiga, foguete, balão,

Muita gente chegando, muita falação!

Na EMEI Monte Belo, não ia ser diferente:

Vem chegando a festa que deixa todo mundo contente,

Nossa festa junina, esteja frio ou quente,

É sempre um sucesso, vem toda gente!

Brincadeira de pesca, pro menino e pra menina,

Dança, música, balanço que contamina

Comilança da boa, e a gente junto, imagina:

Como vai ser alegre a nossa festa junina!

 

Dia 02 de junho, das 11h às 17h

Venha se divertir conosco e traga toda a família!

Você não pode perder o arraial da EMEI Jardim Monte Belo

( Desenhos feitos pelas crianças do 6F )

CARTA ABERTA AOS CIDADÃOS BRASILEIROS

Há muitos anos temos escola pública em nosso país, um espaço onde todos podem estudar sem pagar, independente de sua religião, condição de saúde, raça, classe social. Uma escola com acesso a TODOS.

Então, por que ainda temos tantas crianças sem vaga nas escolas de nosso bairro? Por que tantos jovens desistem da escola antes de concluir seus estudos? Por que tantos adolescentes saem do Ensino Fundamental sabendo apenas assinar seu nome? Por que as vagas de alfabetização de adultos estão cada vez mais escassas, se ainda temos tantas pessoas adultas sem saber ler nem escrever? Por que ainda temos tantas crianças – deficientes, miseráveis, indigentes, moradoras de rua – fora da escola?

A escola pública surgiu para que todos fossem iguais em direitos, e tivessem um ensino de qualidade; um espaço de convivência, de paz, de aprender muitas coisas sobre o mundo e sobre a cultura. Um espaço onde a vida acontece e onde se prepara para a vida.

Então por que tantas famílias, quando possível, preferem colocar seus filhos em escolas particulares? Por que os educadores têm de lidar com a violência e o tráfico de drogas dentro da escola? Por que as professoras têm salas com 35 crianças pequenas, 40 crianças maiores para ensinar e cuidar sozinhas?

A escola pública conta com o apoio do governo oficial, que por meio de impostos recolhidos dos cidadãos, a constrói, sustenta e modifica para melhor, com transparência e compromisso.

Então, por que estamos em abril e não temos ainda material escolar e uniforme para as crianças? Por que nem sempre a merenda é suficiente? Por que nem todos os cidadãos sabem o que acontece com as verbas destinadas à educação? Por que temos escolas sem espaços adequados, sem salas de apoio, sem material suficiente, sem acessibilidade aos deficientes? Por que se gasta milhões com terceirizações de serviços e não se abrem concursos públicos para provimento de cargos de apoio?

Na escola pública trabalham educadores – servidores públicos, concursados, a quem o governo paga salários e benefícios, e oferece formação para que sejam profissionais cada vez melhores.

Então por que a cidade mais rica do país paga salários tão defasados a seus professores graduados e formados? Por que alguns profissionais do quadro ganham menos que um salário mínimo? Por que os educadores quase não têm cursos de formação e atualização? Por que não temos mais jovens que sonham  ser professores? Por que professores são vistos como coitados, desvalorizados pela sociedade? Por que tantos educadores estão em licença médica, doentes de depressão e estresse? Por que professores têm que trabalhar em duas e até três escolas, muitas vezes fazendo turnos de 16 horas diárias, para conseguir sustentar suas famílias?

A escola pública está longe de ser uma escola para o POVO. E é o povo quem precisa ajudá-la a se tornar aquilo que precisa ser! E o momento propício é este, quando estamos prestes a entrar em um processo eleitoral e temos o direito e dever de cobrar dos que nos governam resposta para essas perguntas!

Nós, educadores ( professoras, agentes escolares, auxiliares, gestores ), estamos parando em greve e protesto a tudo isso nos próximos dias 02, 03 e 04 de abril, cobrando do governo que abrace a escola pública e se esforce para resolver todas essas questões e muitas outras. A comunidade também precisa dar esse abraço na escola pública e exigir que o governo não a abandone mais!

 

RECOMEÇANDO…

Depois de um período onde parte da equipe descansou, e a outra parte se dedicou a organizar a escola…

Estamos reunidos discutindo a melhor maneira de fazer de 2012 um ano maravilhoso para nossa EMEI.

Na próxima segunda-feira, dia 06 de fevereiro, aguardamos todos os pais e mães para uma reunião onde vamos partilhar ideias, expectativas e metas para o ano escolar que se inicia… Acolheremos as crianças que estão chegando, e as que estão voltando, de uma maneira muito carinhosa e divertida!

Um ótimo recomeço para todos nós neste ano de 2012.

EMEI JARDIM MONTE BELO – 10 ANOS TRANSFORMANDO E HUMANIZANDO O ESPAÇO FÍSICO

Por Regina Celia Soares Bortoto

Enfim, a palavra emotiva da diretora Regina, que explica a delicada e forte relação entre escola e comunidade por ocasião dos 10 anos da nossa EMEI


O título acima foi escrito em 2002 num dos livros pedagógicos desta Escola. Nada mais atual que esse título, pois esta Escola, que nasceu desejada como a um filho querido, continua em busca da transformação e humanização do espaço físico.

Essa característica original é preservada por seus funcionários através do sonho permanente de construir uma Escola de qualidade para os filhos dos trabalhadores que moram num dos montes mais belos desta região por sua geografia, por sua natureza e por sua população organizada. Quem aqui chegou primeiro certamente ficou assustado com os desafios com os quais se depararam. Foram corajosos. Mas era isso, ou seja, lutar sem trégua… Ou se contentar com o abandono do poder público. Sem luz, sem água tratada e encanada, sem asfalto, sem rede de esgoto, sem coleta de lixo, sem transporte, sem equipamentos públicos… Enfim sem quase nada—e com muito sofrimento.

Hoje, só podemos olhar com muito orgulho ao nosso redor, ver tudo que melhorou, e dar parabéns a todos que fizeram parte dessa História. Passados 10 anos, o Jardim Monte Belo, bem como a EMEI que carrega o mesmo nome, mudaram muito, causando sensações, sentimentos e opiniões. Moradores ergueram suas casas com as próprias mãos para abrigar suas famílias. Na mesma medida, professores e demais funcionários que por aqui passaram ou que por aqui ficaram edificaram um lugar para abrigar conhecimento.

Assim como os moradores, esses funcionários amassaram muito barro, passaram muito calor, muito frio, na escola de latinha, na escola de madeira, ficaram sem água, ou sofreram com a enchente, correram atrás de prefeito, de secretário da Educação, de subprefeito, de padre, de líderes comunitários… Não pouparam energia física e mental por acreditar e principalmente por amar o que fazem, lembrando realmente o Educador Paulo Freire que dizia “que não se faz Educação sem amor”.

Sinto-me feliz e muito à vontade para afirmar pela gestão – Regina, Valéria e Meire— que trabalhar nesta EMEI é dar a cada dia de trabalho um significado novo, pois contamos com um grupo de professoras e funcionários dispostos a pensar a Educação Infantil pra valer. São Educadores que conseguem transitar pela teoria e prática sem perder o rumo e a paixão. Cuidam com carinho, mas com a autoridade e responsabilidade de um adulto que Educa, sabendo discernir a hora de elogiar, advertir ou impor limites sem temer as conseqüências, porque refletem constantemente o seu fazer pedagógico.

Pessoas dedicam parte de suas vidas dentro deste prédio; e cada criança que entra pelo portão, trazida pelas mãos das monitoras do transporte escolar ou pelas mãos de sua família—pais, mães, irmãos, avós, avós, primos, primas, cuidadoras – é carinhosamente acolhida e tratada como seus filhos e filhas. Educadores atentos ao aprendizado escolar de crianças que não são vistas apenas como um número de matrícula, mas como seres completos aqui e agora, com sonhos, opiniões, direitos e ávidos por experimentar a vida.

Hoje, relembro e entendo alguns cumprimentos que recebi quando em 2010 para cá me removi. Foram manifestações de elogios—você vai adorar a Escola, você teve muita sorte, você vai trabalhar com uma Coordenadora Pedagógica que entende muito de Educação Infantil, você vai ver que grupo maravilhoso de professoras.. Expressando e reconhecendo o quanto esta EMEI é especial, composta por funcionários comprometidos com uma Educação de qualidade, que desenvolvem projetos voltados para a formação de sujeitos autônomos e capazes de viver e conviver com o outro com respeito e solidariedade.

Conhecer de perto e respeitar essa comunidade é o que possibilita  construir uma Escola onde as crianças sintam o mesmo prazer em ficar seja na classe, no parque, na quadra, na sala multiuso, no refeitório, ou em qualquer dependência, livres e felizes como se estivesse em suas próprias casas.

Sabemos que temos muito a fazer pelo nosso espaço ainda. Tratamos disso com muita seriedade. Ainda bem que não estamos sós, podemos contar com um Conselho de Escola e uma Associação de Pais e Mestres muito atuante e forte. Acreditamos que juntos e organizados somos co-autores de uma obra em constante movimento de vir a ser.

Por fim, só cabe dar parabéns a todos Educadores desta Escola que acreditam nos tempos de hoje que a Educação é uma ferramenta que contribui na formação de seres humanos capazes de compreender, intervir e transformar a realidade em que vivem.

Nuvem de tags