EMEI Jardim Monte Belo – um lugar pra ser feliz!

Posts marcados ‘Cidadania e Participação’

EMEI JARDIM MONTE BELO – 10 ANOS TRANSFORMANDO E HUMANIZANDO O ESPAÇO FÍSICO

Por Regina Celia Soares Bortoto

Enfim, a palavra emotiva da diretora Regina, que explica a delicada e forte relação entre escola e comunidade por ocasião dos 10 anos da nossa EMEI


O título acima foi escrito em 2002 num dos livros pedagógicos desta Escola. Nada mais atual que esse título, pois esta Escola, que nasceu desejada como a um filho querido, continua em busca da transformação e humanização do espaço físico.

Essa característica original é preservada por seus funcionários através do sonho permanente de construir uma Escola de qualidade para os filhos dos trabalhadores que moram num dos montes mais belos desta região por sua geografia, por sua natureza e por sua população organizada. Quem aqui chegou primeiro certamente ficou assustado com os desafios com os quais se depararam. Foram corajosos. Mas era isso, ou seja, lutar sem trégua… Ou se contentar com o abandono do poder público. Sem luz, sem água tratada e encanada, sem asfalto, sem rede de esgoto, sem coleta de lixo, sem transporte, sem equipamentos públicos… Enfim sem quase nada—e com muito sofrimento.

Hoje, só podemos olhar com muito orgulho ao nosso redor, ver tudo que melhorou, e dar parabéns a todos que fizeram parte dessa História. Passados 10 anos, o Jardim Monte Belo, bem como a EMEI que carrega o mesmo nome, mudaram muito, causando sensações, sentimentos e opiniões. Moradores ergueram suas casas com as próprias mãos para abrigar suas famílias. Na mesma medida, professores e demais funcionários que por aqui passaram ou que por aqui ficaram edificaram um lugar para abrigar conhecimento.

Assim como os moradores, esses funcionários amassaram muito barro, passaram muito calor, muito frio, na escola de latinha, na escola de madeira, ficaram sem água, ou sofreram com a enchente, correram atrás de prefeito, de secretário da Educação, de subprefeito, de padre, de líderes comunitários… Não pouparam energia física e mental por acreditar e principalmente por amar o que fazem, lembrando realmente o Educador Paulo Freire que dizia “que não se faz Educação sem amor”.

Sinto-me feliz e muito à vontade para afirmar pela gestão – Regina, Valéria e Meire— que trabalhar nesta EMEI é dar a cada dia de trabalho um significado novo, pois contamos com um grupo de professoras e funcionários dispostos a pensar a Educação Infantil pra valer. São Educadores que conseguem transitar pela teoria e prática sem perder o rumo e a paixão. Cuidam com carinho, mas com a autoridade e responsabilidade de um adulto que Educa, sabendo discernir a hora de elogiar, advertir ou impor limites sem temer as conseqüências, porque refletem constantemente o seu fazer pedagógico.

Pessoas dedicam parte de suas vidas dentro deste prédio; e cada criança que entra pelo portão, trazida pelas mãos das monitoras do transporte escolar ou pelas mãos de sua família—pais, mães, irmãos, avós, avós, primos, primas, cuidadoras – é carinhosamente acolhida e tratada como seus filhos e filhas. Educadores atentos ao aprendizado escolar de crianças que não são vistas apenas como um número de matrícula, mas como seres completos aqui e agora, com sonhos, opiniões, direitos e ávidos por experimentar a vida.

Hoje, relembro e entendo alguns cumprimentos que recebi quando em 2010 para cá me removi. Foram manifestações de elogios—você vai adorar a Escola, você teve muita sorte, você vai trabalhar com uma Coordenadora Pedagógica que entende muito de Educação Infantil, você vai ver que grupo maravilhoso de professoras.. Expressando e reconhecendo o quanto esta EMEI é especial, composta por funcionários comprometidos com uma Educação de qualidade, que desenvolvem projetos voltados para a formação de sujeitos autônomos e capazes de viver e conviver com o outro com respeito e solidariedade.

Conhecer de perto e respeitar essa comunidade é o que possibilita  construir uma Escola onde as crianças sintam o mesmo prazer em ficar seja na classe, no parque, na quadra, na sala multiuso, no refeitório, ou em qualquer dependência, livres e felizes como se estivesse em suas próprias casas.

Sabemos que temos muito a fazer pelo nosso espaço ainda. Tratamos disso com muita seriedade. Ainda bem que não estamos sós, podemos contar com um Conselho de Escola e uma Associação de Pais e Mestres muito atuante e forte. Acreditamos que juntos e organizados somos co-autores de uma obra em constante movimento de vir a ser.

Por fim, só cabe dar parabéns a todos Educadores desta Escola que acreditam nos tempos de hoje que a Educação é uma ferramenta que contribui na formação de seres humanos capazes de compreender, intervir e transformar a realidade em que vivem.

Anúncios

COMO SE CONTA UMA HISTÓRIA DE 10 ANOS?

Podemos contar 10 anos em números. 2000 dias letivos. 100 reuniões de conselho de escola, 50 de A.P.M.. Mais de 5000 matrículas e rematrículas. Mais de 150 funcionários. Mais de 15 milhões de refeições.

Talvez fosse melhor contar 10 anos como um conto de fadas. Era uma vez… Uma comunidade que desejou uma escola, lutou por ela, esperou por ela… E ela aconteceu! Foi assim…

Podemos contar 10 anos de problemas… Escola de lata e de madeira, falta dinheiro, falta funcionário. Aquela reunião que não apareceu ninguém, aquela regra que ninguém respeitou, aquele problema que ninguém percebeu, aquele cano que ninguém consertou, aquilo que todo mundo estava esperando acontecer, e nada. Problemas de todo dia, problemas ocasionais, problemas raros, problemas fáceis e outros impossíveis de resolver. Atrasou, brigou, discutiu, rompeu, faltou, quebrou, magoou, não entendeu, decepcionou, não deu certo, não veio, desistiu… Foi embora.

Quem sabe… 10 anos em conquistas. Um prêmio, um reconhecimento, a reunião que deu certo, um artigo na revista, a criança que aprendeu, a professora que conseguiu, a família que ajudou, aquilo que saiu melhor do que a gente supunha, aquilo que agradou a todo mundo, aquele monte de sorrisos, aquela cantoria toda, aquela festa grandiosa em que todo mundo veio, aquele dia de sol que parece que nunca mais acabou.

E como seriam 10 anos de abraços? Seja bem vindo! Muito prazer. Parabéns pelo seu aniversário, seu casamento, o nascimento do seu filho, pelo sucesso do seu trabalho. Senta aqui no meu colinho, sua mãe já vai voltar. Gosto tanto de você… Ainda bem que trabalhamos juntas. Nossa equipe arrasou! Sinto muito pela sua perda. Calma, sua dor já vai passar. Conte comigo. Não solta da minha mão, senão você se perde. Adeus… Foi muito bom te conhecer.

Podemos também contar 10 anos de nomes. Marias, Joãos, Déboras, Karinas, Reginas, Jeniffers, Josés, Pedros, Matheus, Danis, Lúcias, Elis,Anas, Cláudias, Paulas, Vicentes, Antônias, Valérias, Nices, Vergínias, Helenas, Meires, Betes, Fátimas… Jurandyr.

E 10 anos de reuniões e festas? Encontros pedagógicos, chás-de-panela e bebê, conselhos de escola, paradas, formações, festa junina, aniversários, nhoque da sorte, festa do sorvete, do macarrão, da leitura, natal, semana da criança, formatura, jogral, despedidas, apresentações de cinema, de teatro, show de mágica, lanche comunitário, excursões para museus, para  o circo, para o sítio, para o concerto, para o parque, para a biblioteca.

10 anos de papéis. Sim, de papéis!  Regimentos, matrículas, desenhos, bilhetes, pinturas, ocorrências, diários de classe, registros, portifólios, livros, cadernos, cartazes, informativos, boletins, relatórios, comunicados, pedidos, recibos, listas, cartões, telegramas… Ufa!

Existem muitas maneiras de se contar uma história de 10 anos. Mas o melhor de tudo é ter 10 anos de história para contar. Uma história de partilha… Partilha de ideais, de trabalho, de luta, de sonhos… De alegrias e tristezas. Uma história que temos muita felicidade em contar e fazer parte. Uma história viva… Uma história nossa!

Apareça para comemorar!

DIA 30 DE JULHO TEMOS UM COMPROMISSO IMPORTANTE COM A NOSSA ESCOLA!

O conselho é de todos...

No próximo dia 30 de julho, sábado, às 10h, teremos a nossa reunião mensal do Conselho de Escola e A.P.M.

Aliás, você entende bem o que é a A.P.M.?

A sigla significa Associação de Pais e Mestres. É um outro colegiado que, apoiando as decisões tomadas no Conselho de Escola, tem a função principal de fiscalizar, aprovar, esclarecer e aplicar as verbas da escola – tanto as que são fornecidas pelo governo, quanto as que são arrecadadas junto à comunidade escolar em contribuições voluntárias, festas e outros eventos da escola. Dele participam pais, professores, gestão da escola. A associação tem conta no banco e registro em cartório.

Você pode entender melhor o que é a A.P.M. comparecendo à reunião para saber como e onde está sendo usado o dinheiro da nossa EMEI.

No próximo dia 30, iremos discutir quais são as prioridades para a aplicação das verbas que virão, e ouvir as prestações de contas do que já foi arrecadado e gasto. O que nossa escola precisa mais? O que é mais importante? Quais são nossas ideias para a aplicação do dinheiro?

Além disso, a pauta conta com outros assuntos:

* Avaliação da Festa Junina – o que deu certo, o que deu errado? O que podemos melhorar? Qual foi a repercussão da festa e que sugestões as famílias dão para melhorarmos ainda mais?

* Terceirização do Serviço de Merenda – passamos por uma mudança e recebemos um serviço terceirizado para a preparação da merenda de nossas crianças. O que isso significa, como é esse processo? No que ele muda a qualidade da educação e atendimento que damos aos pequenos? Como o conselho se posiciona? De que esclarecimentos precisamos?

* Festa de 10 anos da EMEI – Partimos para a organização e divisão de tarefas, compilando as ideias para fazer uma festa maravilhosa, emocionante e marcante!

Compareça, participe, divulgue… Pulverize sua vontade de ser cidadão que defende e participa da escola pública. Esperamos você.

...E todos podem contribuir!

CONSELHO DE ESCOLA – CORAÇÃO E MENTE DA ESCOLA PÚBLICA

Que bom seria se pudéssemos tomar decisões sobre a escola pública…
Bom seria se pudéssemos escolher.
Bom seria se pudéssemos dialogar com todas as pessoas envolvidas na escola – governo, gestão, professores, alunos, famílias, equipe, comunidade do entorno – antes de decidir os caminhos a seguir.
Seria muito bom se todos tivessem um espaço, um espacinho, mínimo que fosse, para colocar suas opiniões sobre o gasto de verbas, sobre as regras a serem seguidas, sobre os acontecimentos, as festas, o uso do espaço, o calendário escolar… Os caminhos pedagógicos.
Seria muito bom se pudéssemos nos reunir para conhecermos melhor um ao outro, para aprender a ouvir e a falar, para estreitar os laços, afinarmos as relações, colaborar uns com os outros e crescermos juntos.
Bom seria se a escola fosse além de onde está – levada por nossas mãos, como uma criança é levada pelas mãos dos pais, com sabedoria e carinho.
Bom seria se nossas perguntas tivessem respostas.
Bom seria se a qualidade da educação dependesse do nosso exercício de cidadania diário, quando construímos, juntos, uma nova escola a cada ação, a cada conversa, a cada tentativa de melhorar a qualidade do ensino público.
Seria tão, mas tão bom, se tivéssemos direito de sermos considerados nessa construção… E melhor ainda se todos compreendessem sua responsabilidade.
Seria bom se a escola fosse um reflexo da sociedade que queremos construir – igualitária, democrática, participativa… Boa para todos.

Seria bom… Pode ser bom.

O Conselho de Escola é a resposta para esses anseios.

No próximo sábado, dia 28 de maio, às 10 horas, teremos nossa reunião mensal do Conselho de Escola.

Todos estão convidados!

Tome seu lugar nessa caminhada, e ajude a nossa escola a ser a cada dia melhor do que é.

Contamos com você!

Nuvem de tags