EMEI Jardim Monte Belo – um lugar pra ser feliz!

Posts marcados ‘Como montar um terrário’

BICHINHOS DE JARDIM, BEM PERTINHO DE MIM! – PARTE VII

Nosso projeto passa da metade do caminho para o final… E as crianças me surpreendem a cada dia!

Por Professora Karina Cabral

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 29 – 24 DE OUTUBRO DE 2011

Atividades – Observação do Terrário – Desenho Científico – Leitura Informativa

Todo mundo está bem preocupado com a lagarta que foi descolada da folha enquanto estava criando sua pupa… Será que ela vai sobreviver? Tentamos de todo jeito pendurar ela de volta em um pauzinho ou folha, mas não deu muito certo… Então a Karina vai colocar ela isolada do terrário. Vamos torcer pra ela conseguir ir em frente e logo logo vermos se desse casulo vai sair uma mariposa ou borboleta…

E por falar em borboletas, mariposas e lagartas… Esses são os nossos bichinhos de jardim do momento! Hoje lemos mais um livro legal sobre a metamorfose das borboletas, e logo depois elencamos as informações que vimos, como fizemos com o vídeo do biólogo barbudo ( ou papai noel ). A Karina disse que isso se chama resumir um texto – a gente lê e separa as partes mais importantes para usar depois… E logo vamos precisar para fazer o nosso texto bem completinho sobre borboletas e mariposas.

A Karina vai ficar fora por uns dias, porque vai participar de um congresso. Congresso é uma reunião de professores de várias escolas diferentes, e ela vai precisar ir. Mas combinamos duas coisas – primeiro, ninguém vai mexer na pupa nem no terrário sem a ajuda de um adulto. Segundo, que vamos ficar observando os livros do projeto e prestando bastante atenção para não perder de vista o nosso estudo. E terceiro, que vamos respeitar bastante a professora que vai ficar com a gente. Semana que vem voltaremos a falar do projeto e encaminhar os momentos finais da nossa saga! Bem legal.

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 30 – 31 DE OUTUBRO DE 2011

Atividades – Observação do Terrário – Roda de Conversa

A Karina voltou, e tivemos uma roda de conversa pra contar tudo que aconteceu nos dias em que ela ficou fora. No terrário, as coisas ficaram bem calmas, nenhum bichinho foi colocado lá. Mas a pupa, que tava separadinha na parte de cima do vidro, caiu lá dentro ( ou algum bichinho de hábitos noturnos empurrou ), e já vimos que ela não vai sobreviver… Ficamos tristes com isso.

Reparamos que, no nosso terrário, alguma coisa está dando errado. E fizemos uma boa conversa sobre isso. É que as plantinhas estão murchando, e desde que nós aprendemos que os bichos que voam não gostam de ser criados em cativeiro ( ou seja, em lugar fechado ), não colocamos mais joaninhas e besouros lá. Além de tudo, os tatuzinhos também andam sumidos. A Karina disse que andou lendo na internet que a terra, que dá comidinha para as plantas e alguns bichos, também fica “cansada”, “esgotada”, e ela acha que o nosso terrário precisa ser desmontado para não prejudicar os bichinhos que ainda estão lá dentro, como os piolhos-de-cobra, as minhocas e tatuzinhos. O pessoal da classe não gostou muito dessa ideia… Mas todo mundo concordou que não podemos sacrificar os bichinhos, e as plantas, e desde o começo a gente já sabia que se o terrário começasse a mostrar sinais de que a vida não estava bem lá dentro, iríamos devolver tudo pra natureza.

Então vamos ficar com o terrário até depois da festa de 10 anos da escola, que vai ser no sábado… E se estiver tudo como hoje, vamos devolver tudo pro jardim da escola. Foi tão legal ter um terrário na sala… Mas mais legal ainda é fazer o que é certo para não estragar a natureza.

Tivemos uma primeira experiência de desenhar as borboletas e mariposas… E claro, não podíamos esquecer que era um desenho científico, e que precisa ficar bem parecido com a realidade. Fizemos desenhos bem legais… Desenhar sobre esse tema não é fácil, pois são muitos detalhes! As lagarta tem muitas pernas, muitas fases… A pupa é difícil de fazer e as borboletas e mariposas são cheias de detalhes nas asas! Foi um trabalhão, mas conseguimos fazer desenhos bem interessantes.

Nesta semana vamos ter muitas atividades diferentes relacionadas à festa de 10 anos da nossa EMEI. Então vamos dar um tempo do projeto, só lendo algumas coisas na roda de leitura… Pra retomar tudo com força total depois da festa… Falta pouquinho tempo pra finalizar o calendário, mas a Karina disse que se a gente se organizar direitinho, dá tempo sim!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 31 – 08 DE NOVEMBRO DE 2011

Atividades – Desmontagem do Terrário – Leitura Informativa

Hoje fomos ao jardim da escola desmontar o terrário, que estava murchinho e seco… Escolhemos um lugar do jardim e combinamos que iríamos tirar toda a terra com uma pazinha e com muita delicadeza… Pra que os bichinhos subterrâneos e as plantas possam viver melhor no jardim.

Foi bem legal ter feito isso, porque conforme a gente tirou a terra de dentro do vidro, fomos vendo quantos bichinhos estavam lá debaixo… Minhocas, piolhos-de-cobra, tatuzinhos, lacraias… E até um besourinho que tinha sumido. Deixamos eles lá e combinamos de voltar pra ver como eles estavam, se é que a gente vai achá-los no meio de tantas outras plantas e tantos outros bichos!

Seguindo nosso estudo, a Karina leu um texto bem interessante sobre borboletas, que é bem difícil de entender, mas dá uns detalhes que os outros textos não tinham dado… Amanhã já foi combinado de dividir alguns grupos para darmos andamento no nosso trabalho e começarmos a ver esse calendário ficando pronto de verdade!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 32 – 09 DE NOVEMBRO DE 2011

Atividades – Agrupamentos de Atividades Diversas – Leitura Informativa – Percevejos

Hoje apareceu um percevejo bem diferente no parque… Ele era todo bonito, com casco todo desenhado! Legal que todo mundo já aprendeu a observar os bichos, ainda mais agora que não tem terrário. Vimos que os percevejos têm seis patinhas, duas antenas, quatro asas… Muita gente conhece os percevejos como maria-fedida, porque esse é um jeito que ele tem de se defender dos predadores – soltar um pum bem fedido pra eles irem embora. Mas esse não soltou nenhum pum não! Nós lemos um pouquinho sobre os percevejos quando chegamos na classe, e soltamos ele no jardim.

Todo mundo queria colocar os percevejos no calendário, e a Karina explicou que essa coisa de estudar envolve fazer escolhas, e a gente já escolheu. A gente pode até colocar os percevejos no calendário, mas teria que tirar um outro bicho, e aí ninguém quis… Uma pena que a gente não tenha tempo de fazer um calendário gigante pra dois ou três anos que tenha todos os bichos do mundo! Mas nada impede que a gente leia e estude sobre o bicho que a gente tiver vontade de aprender coisas sobre.

Falando em calendário, hoje foi um dia diferente. Quando a gente tem um grupo grande, como o nosso, é possível dividir o grupo em outros grupos menores, e cada um ir dando conta de uma tarefa. E foi isso que nós fizemos hoje!

Foi assim: quem tinha facilidade de escrever os números, sentou em uma mesa para terminar os meses que estavam faltando. Uma outra turma pegou os meses que já estavam prontos e foi contornar de preto. A Karina sentou nessa mesa pra marcar os dias de domingo e feriado, e conforme a gente decidiu. Quem ia acabando os números, ia passando para a mesa do contorno.

Em outra mesa, sentou o pessoal que quera escrever o nome dos meses, e numa outra ainda sentou o pessoal que queria desenhar um pouco mais as borboletas, lagartas e mariposas. Ficou muito legal e deu uma boa adiantada no nosso trabalho!

Agora a Karina vai fazer no computador um serviço que se chama “digitalizar”. Significa que ela vai pegar os desenhos, números e títulos escritos e colocar no computador, através de um aparelho que parece uma impressora. Assim, dá pra fazer uma cópia pra cada um! Essas máquinas ajudam muito. A Karina contou que antes, pra fazer uma coisa como essa, ela teria que levar em um lugar e tirar xerox, recortar, colar… E hoje o computador ajuda a fazer tudo mais rápido. Ainda bem!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 33 – 11 DE NOVEMBRO DE 2011

Atividades – Leitura Informativa – Escrita de Texto – Escrita de Títulos

Dia de escrita de texto! A Karina disse que, agora, como temos menos folhas no calendário, vamos fazer grupos maiores, e por isso os textos vão ficar mais caprichados.

Numa mesa sentaram a Ludmila, o Paulo Henrique, o Ygor, a Mikaelly e a Roberta. Eles são os responsáveis por lembrar as informações sobre as borboletas. Antes disso, a gente sentou na roda e deu uma boa olhada nos nossos materiais sobre elas. Lembramos muita coisa. A Karina também trouxe de novo o alfabeto móvel.

Foi bem legal, porque as crianças foram ajudando a lembrar e fazer um texto muito completinho sobre as borboletas. A Karina ficou super feliz, porque a gente já aprendeu muitas coisas sobre os textos informativos – a linguagem, a estrutura deles, a seleção de informações… E a gente achou, quando terminou, que todo mundo ia entender bem a vida das lagartas, mariposas e borboletas quando lesse o nosso calendário. Quando tinha alguma dúvida, a Roberta e a Ludmila ajudavam a achar um livro que ajudasse a gente a lembrar a informação exata, porque não podemos colocar coisas nada a ver no nosso calendário…

O texto ficou muito bom! Depois disso o pessoal da mesa usou o alfabeto móvel para escrever o nome dos meses ( fevereiro, março e abril ), e também o nome dos bichos – borboleta, mariposa e lagarta. Foi bem complicado, mas com alguma ajuda, deu tudo certo.

Depois outras crianças, como o Vitor Hugo e a Kelly, quiseram sentar lá e escrever também. A Karina disse que eles poderiam tentar escrever o nome do calendário, e o nome da escola, assim a gente já vai adiantando a capa também. Muito bom!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 34 – 16 DE NOVEMBRO DE 2011

Atividades – Vídeo informativo – Leitura Informativa

Depois de um feriadão, e pertinho do final do ano… Voltamos a nossas atividades! A Karina leu o texto que foi feito por ela e pelo grupo das borboletas semana passada, e foi bem legal. Todo mundo achou o texto ótimo, e que ele podia entrar nos livros de tão bom que ficou! E vamos mudar de bicho… Agora falaremos de formigas!

A Karina trouxe o famoso vídeo do biólogo barbudo, ou papai noel. Acontece que na hora, o vídeo estava errado; o título dizia “formigas”, e na verdade era “saltadores”. A Karina disse que vai resolver isso até amanhã. Aproveitamos pra ver o vídeo que a gente mesmo tinha sobre formigas… Sim, o vídeo das formigas, do dia em que a gente foi ao Instituto Biológico! Relembramos aquele dia e listamos a informação que o Dênis deu pra gente lá no formigueiro. Foi bem legal, porque a gente esquece muita coisa com o tempo!

Também lemos um livro, que deu as mesmas informações… E confirmou tudo que o o Dênis falou. Amanhã vamos observar um pouco o formigueiro do jardim… Sem mexer nele, claro! As formigas são insetos bem interessantes… Como as abelhas, vespas, marimbondos e cupins – insetos sociais, que vivem organizados em colônias. Vai ser bem legal saber mais sobre elas!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 35 – 17 DE NOVEMBRO DE 2011

Atividades – Leitura Informativa – Desenho Científico

Um dia de bastante trabalho! Primeiro, lemos vários textos sobre as formigas. E foi bem legal! Aprendemos, por exemplo, que existem formigas selvagens, que moram em florestas e fazem verdadeiros arrastões de limpeza, atacando inclusive seres vivos. Vimos também que existem formigas canibais, que atacam outras formigas. Tem formigas com asas que vivem sozinhas. E que o formiga-macho, que chama bitu, só dura algumas horas depois de namorar com a formiga rainha. Tem um tipo de formiga, chamada “pote-de-mel”, que vive pendurada no teto e chupa todo o néctar que as outras formigas tiram das flores. Quando fica frio e as formigas não querem mais sair de casa, elas vomitam o mel que guardaram no abdomen e dão para as formigas que trabalharam… Aprendemos também sobre o corpo da formiga – elas tem uma cabeça, com dois olhos e duas antenas; um tórax fino e comprido; e também um abdomem, normalmente bem gorducho. Uma diferença da formiga para os outros insetos são as suas mandíbulas – elas têm garras bem fortes na boca, que servem para cortar folhas, agarrar coisas, e também se defender dos inimigos. O tamanho da formiga depende da quantidade de comida que ela recebe quando ainda é apenas uma larva… Se ganha muita, fica bem grande e vira soldado, pra defender a colônia; se ganha pouca, fica pequenininha e vira operária-jardineira, ou seja, fica dentro da colônia, limpando, organizando as coisas e dando comida às formigas bebês. Se ganha nem muito nem pouco… Vira operária-cortadeira ou operária-carregadeira, que corta as folhas ou carrega pra lá ou pra cá.

A gente gostou bastante de ler a Revista Ciência Hoje das Crianças, que é divertida e tem um texto bem fácil de ler. Amanhã vamos ler uma reportagem da revista bem grande sobre as formigas.

Depois de tudo isso, foi a vez de desenhar – tentamos fazer bem direitinho o formigueiro, a formiga rainha, as operárias, as jardineiras… E até a formiga-leão, que é a formiga canibal. A Karina disse que nossos desenhos estão cada vez melhores, e que deu pra ver direitinho como a formiga é e como é o corpo dela.

]

Amanhã vamos encerrar o capítulo das formigas fazendo o texto e escrevendo os nomes… E assim vamos deixando o nosso calendário cada vez mais pronto!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 36 – 18 DE NOVEMBRO DE 2011

Atividades – Vídeo informativo – Leitura Informativa – Escrita de texto – Escrita de Títulos

Dia bem legal! Aprendemos a observar, fotografar e devolver os bichinhos para a natureza sem machucá-los… Com calma e sem gritaria. Observamos o formigueiro,e uma lacraia e um grilo que apareceu. E um mais bonito que o outro! Não só as borboletas e mariposas como muitos outros insetos têm desenhos bonitos pelo corpo, como se tivessem sido pintados. E o mais legal: hoje vimos o verdadeiro besouro-verde! Foram muitos bichinhos aparecendo e querendo nos visitar…

As formigas não estavam muito afim de sair do formigueiro… Mas mesmo assim nós observamos que, de fato, algumas ficam fora do formigueiro, bem perto, e são grandonas ( soldados ); outras ficam andando pra lá e pra cá, entrando e saindo do montinho de terra ( as carregadeiras ); não olhamos dentro do formigueiro, mas se olhássemos, provavelmente veríamos a rainha e suas operárias jardineiras…

A Karina arrumou o vídeo do biólogo barbudo, Papai Noel, sobre as formigas. Foi bem legal! Depois fizemos aquela conversa sobre o vídeo e olha só as informações que conseguimos lembrar:

  • Formigas ficam quietinhas no inverno, sobrevivendo dentro de suas colônias;
  • As colônias podem durar até 10, 15 anos;
  • Elas comem qualquer coisa que seja orgânica e consigam mastigar – folhas mortas, bichos mortos, fungos;
  • Gostam de sugar o néctar das flores, e por isso acabam protegendo e polinizando as flores;
  • Formigas são bichinhos muito numerosos: podemos ter de 10 a 20 mil formigas em uma só colônia, todas filhas de uma só rainha… Algumas rainhas mais fortes podem viver até 40 anos;
  • As formigas trabalham sem parar, mas sem parar MESMO!;
  • As formigas são excelentes predadoras; elas se juntam para pegar os bichos vivos macios que gostam, como lagartas, grilos, joaninhas… E os mordem com suas mandíbulas fortes; com isso, acabam ajudando a cuidar do jardim controlando a população de insetos para que um tipo não fique mais numeroso que o outro;
  • As mandíbulas da formiga são muito horripilantes; são fortes e mastigam muito bem a presa, até ela desistir de lutar;
  • A formiga também tem predadores – sapos, louva-a-deus, grilos, baratas, lagartixas, aranhas, e alguns animais como pássaros, tamanduás e tatus;
  • As formigas carpinteiras são capazes de furar madeira e constroem sua colônia no oco da árvore;
  • A rainha coloca os ovos, é cuidada e mimada, e as operárias levam os ovos assim que são postos;
  • Dentro da colônia temos várias partes, como se fossem quartos separados, e entre uma e outra, galerias para passar; cada pedaço da colônia com suas operárias tem uma função – mas todas elas sabem que devem proteger os ovos e larvas mais novas acima de qualquer coisa;
  • Formigas vão conversando pela antena, e cuidam das larvas como se fossem bebês, acarinhando, ninando, lambendo para limpar, alimentando;
  • Com o tempo, a larva se transforma em pupa, e depois vira formiga adulta;
  • Os predadores não gostam de comer as formigas adultas, pois elas não são gostosas e picam; eles preferem as larvas e pupas, macias e indefesas; por isso o formigueiro precisa de soldados, pois sempre está sob risco de ataque;
  • Quando um ataque acontece, a colônia entra e polvorosa e as formigas, antes de tentarem salvar a si mesmas, escondem os ovos e principalmente a rainha; assim, mesmo que a colônia seja destruída, elas podem reconstruí-la;
  • A formiga-leão é muito esquisita! É uma formiga canibal de mandíbulas fortíssimas, que adora armar armadilhas para outras formigas – se enterra e fica esperando elas chegarem, fazendo com que caiam no buraco;
  • Às vezes, as colônias brigam entre si; roubam os ovos da outra colônia para fazer escravas, reconhecendo os ovos que não são da sua espécie;
  • Formigas ajudam muito o jardim ao fazer a limpeza; retiram os cadáveres, junto com as moscas;
  • Formigas cortadeiras podem ser uma praga e acabar com as folhas do jardim; outras levam embora as sementes e não deixam as plantas se reproduzirem;
  • Formigas não gostam de comer folhas – são carnívoras! Quando carregam folhas, depositam em câmeras para apodrecer e criar fungos – e são esses fungos que elas comem, principalmente no inverno;
  • Carregam as folhas em fileiras, uma vai ajudando a outra a não se perder do formigueiro;
  • Elas são como fazendeiras e gostam de criar pulgões para lambê-los, inclusive defendendo dos predadores;
  • Quando uma rainha nasce e cria asa, ela sai para formar uma nova colônia; nessa época, a rainha coloca ovos que viram várias rainhas e também machos, para que possam sair em revoada e acasalar no ar!;
  • As rainhas saem ao mesmo tempo para acasalar, no mesmo dia, mesmo vindo de diferentes colônias – parece que combinam tudo;
  • Elas pegam o parceiro no ar, trazem pro solo e acasalam;
  • Os machos procuram as fêmeas, e morrem depois de acasalar porque não servem para mais nada no formigueiro;
  • A formiga rainha entra na colônia e nunca mais sai.


Depois desse vídeo com imagens incríveis sobre as formigas, nós fomos para a sala onde foi formado o grupo que escreveria o texto para ir para o calendário – o Maycon, a Anna Vitoria, o Irnac, o Francisco Wanley e a Kelly. E foi muito legal! O texto ficou completinho e o pessoal do grupo não teve quase nenhuma dificuldade para lembrar das informações todas sobre as formigas e suas colônias. A Karina deu parabéns pra todo mundo! Depois, eles escreveram o nome da formiga e dos meses de maio e junho.Todo mundo ficou feliz por um motivo especial… Percebemos que o nosso amigo Maycon já está tentando escrever algumas letras, e até o M do nome dele ele escreveu! Foi muito emocionante ver e ele ficou feliz que nós gostamos e batemos palma…


Como sempre, juntou um pessoal na mesa querendo escrever e desenhar também, e eles escreveram mais títulos importantes para colocar no nosso calendário. Ficou show! Estamos trabalhando duro feito formiguinhas, espertas, organizadas e produtivas. 🙂

BICHINHOS DE JARDIM – BEM PERTINHO DE MIM! PARTE II

Por Professora Karina Cabral

A construção do terrário começa a delinear o projeto para as crianças. E, como eu esperava, começou a fomentar dezenas de perguntas! Essas perguntas serão o motor do projeto, o que vai motivar e guiar o nosso estudo.

Ainda não deu para conseguir a concentração das crianças para outra coisa que não fosse observar o terrário. Não faz mal! É assim mesmo que o projeto, que nasceu de uma ideia minha ao observar as necessidades e interesses delas, vai ganhando forma, e e tornando NOSSO – meu e das crianças.

Seguem os próximos capítulos da nossa novela… 🙂 Que, ainda bem, está tendo muitos espectadores!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 3 – 30 DE AGOSTO DE 2011

Atividades – Confecção do terrário, conversa com a diretora sobre o projeto.

Hoje todo mundo já chegou falando do terrário! A Ludmila, a Sandrinha, a Letícia e a Karina trouxeram carvão, e a Roberta trouxe um monte de tatu-bolinha dentro de um potinho. Na hora do parque, todo mundo ajudou a peneirar areia e separar pedras.

Na sala, a gente leu de novo a receita do terrário pra ver se não estava faltando nada. Separamos todo o material e começamos a montar.

Vejam só o passo a passo:

  1. Lavar bem o vidro com água e sabão e desinfetá-lo com álcool, para o terrário não criar micróbios e fungos; 
  2. Colocar uma camada de cerca de 3 centímetros de pedrinhas de aquário ou pedriscos pequenos;   
  3. A seguir, colocar mais uma camada de cerca de 3 centímetros de areia; 
  4. Em cima da areia, colocar uma camada de 2 centímetros de carvão moído;  
  5. Em cima do carvão colocar terra vegetal em uma camada bem grossa; se necessário, regar a terra com água;      
  6. Abrir buracos na terra e colocar algumas plantinhas pequenas de jardim;
  7. Colocar também os bichinhos que forem recolhidos;
  8. Fechar o vidro com um plástico grosso e elástico, e fazer furinhos no plástico com um palito de churrasco, para entrar um pouco de ar;   
  1. Pronto! Seu terrário está montado!

Na hora de recolher a terra, as plantinhas e os bichinhos, nós demos a volta na praça em torno da escola e pegamos várias espécimes. A Magna e a Gecilda, agentes escolares, acompanharam a gente. Foi bem legal o passeio, porque a gente nem sabia que tinha tanto jardim assim perto da gente! Recolhemos terra, plantinhas, caracóis, tatuzinhos, minhocas… E até um grilinho bebê! Vimos borboletas, formigas… E tudo com muito cuidado, pra não machucar as plantas, bichinhos, e nem a gente mesmo.

Todo mundo ficou contente de ver o terrário pronto, e agora podemos trazer mais bichinhos!

Depois do terrário pronto e arrumar toda a bagunça que ficou na sala, a gente chamou a diretora Regina pra falar do nosso projeto e pedir pra ela ajudar a gente a fazer uma excursão para um lugar onde seja possível estudar mais os bichos. A Karina disse que pesquisou três lugares legais pra ir: um borboletário, em Osasco; a Cidade das Abelhas, em Embu, e o Instituto Biológico aqui em São Paulo mesmo, lá no bairro da Vila Mariana.

A Regina explicou que a gente pode ir sim, mas fazer uma excursão é uma coisa complicada, quase uma viagem mesmo! Tem que pensar no transporte, tem que ver como vamos pagar o passeio, ligar lá no lugar que vai nos receber e ver que dia a gente pode ir, tem que pensar no lanche, e também pedir para os pais deixarem a gente ir, assinando um papel chamado “autorização. Ela disse que vai nos ajudar pra dar tudo certo e a gente poder ir.

A Regina contou que viu uma reportagem na TV sobre o Instituto Biológico e que as crianças simplesmente amam ir lá! Ela contou que dá pra ver um monte de insetos, e que tem até corrida de barata! Ela disse que se der certo, ela quer ir com a gente no passeio também.

A Regina também contou que ela adorou o terrário, e que na outra escola dela tinha um para estudar os girinos, e como eles viram sapos. Ela disse que o terrário é um mini-mundo, e que ela ficou contente com nosso estudo. 🙂

Tomara que os bichinhos gostem da nova casa deles, e se divirtam muito lá!

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 4 – 31 DE AGOSTO DE 2011

Atividades – Observação do Terrário, Leitura de Poema

Todo mundo que chegava ia direto lá no terrário ver como os bichinhos estavam!

Os personagens do nosso terrário começaram a aparecer… Um grilinho bem minúsculo ( a Ludmila acha que é um gafanhoto )…


Minhocas, e até uma minhoca bebê…

Um monte de caracóis, e também um caracol bebê que fica pendurado na mãe dele…

Os tatuzinhos de bola, que ficam se escondendo nos cantinhos…

Uma abelha morta, que a Bianca da sala da professora Silvia achou no parque e trouxe pra nós…

E a Karina colocou o terrário na mesa pra todo mundo poder ver de perto. Foi bem legal!

Hoje nós lemos um poema da Cecília Meireles sobre jardim, que se chama “Leilão de Jardim”. Antes a gente já tinha lido ele, mas como agora a gente tem jardim, ficou bem mais fácil entender o poema. A Karina falou que vai colocar ele num cartaz bem bonito pra gente ficar lendo, perto do terrário.

Hoje choveu muito, e a gente percebeu que essa história de deixar o terrário fechado não está dando muito certo. Os bichinhos parecem ficar perto dos buraquinhos pra poder respirar. E como a gente aprendeu nas receitas, a gente precisa ficar de olho pra ver se eles estão bem. Foi então que a professora Silvia foi nos visitar, e disse que seria legal colocar um pedaço de tule no vidro, porque é um pano todo furadinho, só que os furinhos são pequenos e os bichinhos vão respirar, mas não vão escapar. Todo mundo adorou a ideia! Depois de colocar o tule, eles ficaram na terra bem mais sossegados.

A professora Silvia disse pra nós que mora em um lugar com bastante mato, e lá tem os bichos que a gente quer tanto conhecer – o bicho-pau, o bicho-folha, o louva-a-deus. Ela disse que vai trazer, se conseguir pegar um! Tomara que ela consiga.

Muita gente trouxe calendários, a Meire até deu uma caixa cheinha deles. A Maria deu um livro sobre bichinhos, e todas as agentes escolares estão ajudando trazendo material pra gente estudar. É tão legal quando todo mundo da escola colabora com a gente! Mas a gente ainda não está conseguindo se concentrar no estudo, porque todo mundo só quer ficar grudado no vidro, olhando o terrário… 🙂

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 5 – 02 DE SETEMBRO DE 2011

Atividades – Observação do Terrário

Hoje todo mundo ficou um pouco preocupado…

Foi assim: ontem a Karina estava doente e não veio pra escola, e nós não tivemos aula na nossa sala. Então o terrário ficou sozinho.

Aí hoje, quando a gente chegou, a terra estava meio seca; algumas plantas estavam murchas, e a Karina achou que seria melhor a gente fazer chover no terrário. Já que não vamos deixar ele fechado, precisamos lembrar de molhá-lo com mais frequência.

A Ludmila trouxe em uma caixinha de fósforo uma nova moradora pro nosso terrário – uma joaninha! Ela é bem linda, verde com bolinhas pretas. A gente colocou ela lá dentro e logo ela ficou amiga dos tatuzinhos. Ela tentou escapar, a Rafaela até achou que ela tava com saudade do jardim dela… Mas logo ela voltou pra terra e ficou lá, com os tatuzinhos.

Vamos ver se no final de semana o terrário vai ficar legal… Esperamos que na segunda-feira todos os bichinhos e plantas estejam bem!

BICHINHOS DE JARDIM… BEM PERTINHO DE MIM! – PARTE I

Por Professora Karina Cabral

Um olhar curioso para o caracol e para o mundo... 🙂

A INTENÇÃO

Um projeto sobre bichinhos de jardim, com os objetivos principais de tomar contato com a leitura e a escrita de textos informativos, o estímulo à curiosidade científica e a tentativa de fazer desenhos detalhados e científicos.

A PROPOSTA FEITA PARA AS CRIANÇAS…

Montar um calendário para 2012 com informações sobre bichinhos de jardim.

PARA ISSO, ELAS PRECISAM…

* Saber o que é e como se faz um calendário;

* Estudar sobre os bichinhos de jardim;

* Ler e escrever sobre o que estão estudando;

* Tomar decisões sobre esse estudo e a maneira de colocá-lo no calendário;

* Entender o desenho científico e arriscar-se a fazê-lo.

Como toda boa viagem, um bom projeto com as crianças precisa ter um plano inicial, mas também a possibilidade de improviso, tomada de decisões em conjunto e espaço de folga para a descoberta.

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 1 – 26 DE AGOSTO DE 2011

Atividade – Roda de Conversa Inicial

Hoje nós tivemos uma primeira roda de conversa, onde a professora Karina perguntou se nós já tínhamos visto bichinhos de jardim.

Todo mundo começou a falar um monte de coisas sobre bichos. É impressionante como criança gosta de bichos!

Acontece que nem todos os bichos vivem no jardim, porque o jardim não é grande como a floresta e outros lugares, ele é um espaço de terra bem pequeno, e que normalmente fica nas casas e nas escolas, ou em praças. No jardim tem flores, e tem matinhos e árvores, e os bichos de jardim são pequenos, até pra poder caber no jardim.

A Karina falou que os bichinhos de jardim na maioria das vezes são de uma família chamada insetos, e eles são animais que não têm osso. Ela também disse que os cientistas que estudam os bichos se chamam biólogos, e que eles descobriram muitas coisas. Eles dão nome aos bichos, observam o que eles fazem, o que eles comem, tiram fotos e desenham sobre eles, e por isso nós podemos ler nos livros um monte de informações legais sobre os bichos.

Alguns bichinhos de jardim que a gente lembrou: joaninha, caracol, besouro, borboleta, abelha, lagarta, grilo, formiga.

Todo mundo ficou bastante animado com a ideia de fazer um calendário de bichinhos de jardim, mas ainda mais animado com a ideia de construir um terrário.

O terrário é um jardim bem pequeno que fica dentro de um vidro. Tem um jeito certo de fazer terrário… A Karina vai pesquisar esse jeito certo e contar pra gente na segunda-feira.

DIÁRIO DO PROJETO – DIA 2 – 29 DE AGOSTO DE 2011

Atividades – Leitura da receita de como fazer um terrário, escrita de bilhete, visita livre ao jardim da escola.

Na hora da roda de leitura, a Karina trouxe uma receita de terrário que ela escreveu depois de ter pesquisado alguns sites na internet.

Ela leu a receita, e nós fomos falando sem parar, porque todo mundo está com muita vontade de ver o terrário pronto e ver os bichinhos de jardim. Nós descobrimos que para fazer um terrário é preciso ter um vidro, pedras, areia, carvão, terra, plantas e bichinhos de jardim. Algumas crianças falaram que vão trazer carvão porque têm em casa, e outras falaram que vão trazer bichinhos de jardim depois que o terrário estiver pronto.

Nós fomos então visitar um jardinzinho pequeno que tem perto da janela da nossa sala, e muita gente nem sabia que tinha esse pedacinho de jardim lá.

De longe parecia que não tinha nada, mas de perto, a gente começou a ver casa de marimbondo, aranhas, tatu-bolinha, uma mariposa morta, formigas, e um mooooooonte de caracóis!

O Irnac achou um caracol que estava dentro da casinha, e ele andou um pouco na nossa mão, todo mundo ficou muito feliz de ver isso!

Depois que a gente voltou pra sala, a Karina leu a outra parte da receita, que fala dos cuidados que temos que ter para montar um terrário:

  • Não pegar os bichinhos com força, apertando eles, porque eles podem morrer;
  • Se pegar lagartas ou outros bichos que comem folhas, tem que trazer a folha junto, senão eles morrem;
  • Depois de colocar os bichinhos e plantas dentro do vidro, precisamos prestar atenção todo dia pra ver se eles estão passando bem; plantas murchas e bichinhos parados é sinal que temos que abrir o terrário e devolvê-los pra natureza…

  • O terrário tem que ficar em um lugar que bata sol, mas não debaixo do sol diretamente, senão os bichinhos e plantas podem morrer abafados;
  • A gente tem que ter cuidado pra pegar bichos, pedindo ajuda para os adultos, pois tem bichos que queimam e picam pra se defender. A Karina disse pra gente não pegar lagartas pretas e peludas, e nem pensar em abelhas… Formigas só com proteção para as mãos, e nunca devemos mexer no formigueiro, porque a gente também ia ficar nervoso se alguém viesse mexer na nossa casa e destruísse tudo…

Amanhã vai ser dia de montar o terrário!

A gente também escreveu um bilhete para os pais e mães, e também para as pessoas da escola, explicando o projeto, e pedindo a ajuda deles para mandar calendários e materiais de pesquisa sobre os bichinhos. Amanhã a gente vai escrever também pra Meire e pra Regina, para que elas ajudem a gente a fazer uma excursão pra um lugar bem legal onde a gente possa estudar os bichos.

Fontes: http://profaline-ciencias.blogspot.com/2009/04/como-fazer-um-terrario.html

http://blogdoprofessorcarlao.blogspot.com/2009/04/dicas-para-montar-um-terrario.html

 

Nuvem de tags