EMEI Jardim Monte Belo – um lugar pra ser feliz!

Posts marcados ‘Equipe de Educadores’

ESCOLA É…

Por Paula Vicente

Afinal, que tipo de lugar é a escola? Que tipo de lugar ela pode ser? O que compõe a escola – paredes ou pessoas? A A.T.E. Paula, nossa secretária, faz uma bela reflexão sobre a escola como ambiente sadio de conhecimento e de relações. O mestre Paulo Freire concorda com ela!
Acredito que a escola seja mais que uma instiuição de ensino, ou um local onde se fomenta a educação de um povo. Ela é também um espaço para a formação do ser humano. Por essa razão, não deve ser vista apenas como um espaço físico, e sim como um alicerce de pessoas que convivem e trabalham em benefício de outras.
Ao ingressar aqui na EMEI Jardim MOnte Belo, constatei que o interesse em melhorar a vida dos demais, através de pequenas ações em um esforço altruísta pelo próximo, ainda existe. Atitudes dos funcionários que ultrapassam a mera obrigação expressam o trabalho de profissionais que atuam paa proporcionar o pleno desenvolvimento das crianças, apoio aos pais e a toda a comunidade.
Minhas experiências anteriores não foram as mais agradáveis, causadas pela desilusão de me deparar com um misto de indiferença e pouca vontade, atreladas ao egocentrismo de cargos de chefia, e diluídas no conceito da estabilidade funcional. No entanto, o trabalho realizado pela equipe da EMEI Monte Belo supera a burocracia da legislação escolar, apoiando-se no ser humano e no cotidiano, expressando a diversidade das relações humandas, tornando a escola mais do que um local de passagem para alunos… Mas um micro partícula de um futuro convívio social.
Além de um local de trabalho, nossa escola é um lar. Um lugar onde se aprende bem e se convive em paz e alegria.
Paula Vicente – Auxiliar Técnica Educacional – Secretaria

A Escola – Paulo Freire


“Escola é…

O lugar onde se faz amigos.
Não se trata só de prédios, salas, quadros,
Programas, horários, conceitos…
Escola é, sobretudo, gente.
Gente que trabalha, que estuda,
que se alegra, se conhece, se estima.
O diretor é gente,
O coordenador é gente,

o professor é gente,
o aluno é gente,
cada funcionário é gente.
E a escola será cada vez melhor
na medida em que cada um
se comporte como colega, amigo, irmão.
Nada de ‘ilha cercada de gente por todos os lados’.
Nada de conviver com as pessoas e depois descobrir
que não tem amizade a ninguém
nada de ser como o tijolo que forma a parede,
indiferente, frio, só.
Importante na escola não é só estudar, não é só trabalhar,
é também criar laços de amizade,
é criar ambiente de camaradagem,
é conviver, é se ‘amarrar nela’!
Ora , é lógico…
numa escola assim vai ser fácil
estudar, trabalhar, crescer,
fazer amigos, educar-se,

ser feliz.”

Anúncios

QUANDO A CHEGADA É SUAVE… O CAMINHO É MAIS FELIZ!

Todo começo é difícil, e sabemos disso. Em contraponto à expectativa e a euforia de estar indo para uma nova experiência, está o medo do desconhecido… Estão também a ansiedade, a revisão de si mesmo, a angústia. Será que estou preparado para enfrentar o que virá? O que será que vai acontecer? Quem são as pessoas, como é o lugar que me espera?

Seja para assumir um novo emprego, conhecer uma nova pessoa, ir a um novo médico, participar da primeira aula de um novo curso, ou começar um novo ciclo… Nós adultos tendemos a agir diferente de como fazemos habitualmente. Frio na barriga, ansiedade, pensamentos incontroláveis imaginando o que será… E um excesso de cautela e retração ao se ver, enfim, no novo ambiente, cercado de novas pessoas, novas propostas. Pisamos em ovos até sentirmos com segurança o chão onde estamos.

Para uma criança pequena, que nunca deixou o colo dos pais e da família, é uma alegria, mas também uma dor e um medo muito grande ir para a escola pela primeira vez. Lá, ela não sabe o que vai acontecer. Quem ela mais conhece não estará por perto, e isso fará com que ela se sinta muito sozinha. Mil fantasias de abandono podem  passar por ela. É uma experiência forte e carregada de emoção essa de deixar os pais para enfrentar outras pessoas, outros jeitos de agir, outros acordos de coletividade. É um desafio social de conhecer os outros e uma proposta de conhecer melhor a si mesmo. São muitas coisas para dar conta. E é por isso que elas choram, se agarram com a mochila, gritam pedindo pela mãe e pelo pai, é por isso que muitas vezes se prendem ao portão e agridem as pessoas. Estão apenas dizendo que precisam de atenção, de carinho, de compreensão e alguém que diga pra elas que tudo vai dar certo, e que em pouco tempo as coisas vão se ajeitar.

Para a criança que já frequentava o CEI ou a própria escola, também há um período de reconhecimento da nova situação. Um novo horário, uma nova turma, uma nova sala, novas regras, uma nova professora… Uma nova fase, com outros desafios. Deixar o que antes era tão confortável e partir para o desconhecido também não é fácil, e às vezes custa algumas lágrimas, algumas unhas roídas, algumas regressões e enfrentamentos. Essa criança também precisa de compreensão e de segurança.

E para as famílias também não é fácil. Deixar o seu tesouro nas mãos de desconhecidos, recuperar todas as suas próprias experiências ( muitas vezes, nada boas ) com escolas, ver o filho ou filha chorando e não ter como acudir, ficar angustiado e ansioso com o que está acontecendo… Também não é fácil. Também é necessário que haja alguém que se mostre seguro, parceiro, que apóie, compreenda, esclareça e faça essa família sentir que está deixando seu filho em um lugar organizado, alegre, onde as pessoas estão preparadas para abraçar, cuidar e educar essa criança.

Nossa escola pensa sobre tudo isso. Procura enxergar todos esses lados, e cria estratégias para tornar esse começo uma passagem mais fácil para todos.

Antigamente, pensávamos esse período do começo como ADAPTAÇÃO. A criança e sua família que chega à escola deve compreender rapidamente a estrutura e procurar se adequar ao que está estabelecido, às regras, aos tempos, espaços e pessoas da escola. Quem chega tem que caber nesse espaço que já foi dado. E lidar com essa angústia do jeito que puder.

Hoje… Falamos em ACOLHIMENTO… Acolher é diferente. Parece mais com um abraço. Parece mais com conhecer um amigo. Parece mais com uma relação que vai ser construída pelas duas partes. Parece mais com se dispor a conhecer e suportar o outro com coração aberto.

Entendemos, em nossa EMEI, que a chegada na escola PRECISA ser bem pensada e planejada, para ser suave… Para ser alegre… Para ter o mínimo de dor possível e o máximo de confiança possível nesses novos vínculos que estão se estabelecendo.

É por isso que, logo de cara, escancaramos as portas da escola para que as famíias pudessem entrar. Instruímos, mostramos os espaços, apresentamos os funcionários, discutimos as principais regras de organização do dia-a-dia, deixamos que eles circulem nos corredores, que levem seus filhos até a porta da sala tranquilamente… Tiramos as dúvidas, e convidamos as famílias para ficarem com seus filhos nos primeiros dias. Conhecendo o trabalho da escola, eles ficam bem mais tranquilos, e transferem essa paz para suas crianças quando chega a hora de deixá-los sozinhos – hora que não é imposta friamente, mas acordada e respeitada.

É por acreditar nisso, também, que usamos parte de nossos primeiros dias de formação para discutir qual é a melhor postura de todos os educadores da escola diante de todo esse turbilhão de sentimentos, e combinamos nossas ações para que quem esteja chegando possa se sentir recebido de verdade, como alguém que há muito tempo está sendo esperado e que estamos alegres em ver chegar.

E também acreditando nisso tudo, procuramos tornar o ambiente da escola agradável, bonito, convidativo, cheio de brinquedos, de coisas bonitas na parede. Um ambiente limpo, belo, cheio de coisas interessantes para as crianças.

É por isso que nesses primeiros dias, todos os funcionários da escola se mobilizaram para acolher bem as crianças e suas famílias. Todos deram colo a quem estava chorando, deram ouvidos às mães e pais mais ansiosos, deram suporte para as professoras da sala, tiveram paciência de explicar muitas vezes as mesmas coisas, compreenderam as crianças que entraram em sala errada, que precisavam ser acompanhadas no corredor, que precisavam de ajuda no lanche ou no banheiro, ou para abrir a mochilha e guardar a blusa.

Tudo isso resultou em um período de acolhimento sereno, e hoje vemos nossos alunos bem mais seguros e alegres na escola.

Em uma parceria com o pessoal da Secretaria do Meio Ambiente, pais, filhos e educadores plantaram algumas mudas de árvore no espaço externo da escola. Mudas que vão crescer e frutificar. Mudas que vamos cuidar e acompanhar o desenvolvimento. Mudas que vão virar árvores diferentes uma das outras, mas que vamos admirar como são. Mudas que vamos observar, curtir, acompanhar, ajudar a resistir nas adversidades. E essas mudas que foram plantadas lá fora, queremos acreditar que também foram plantadas dentro do coração das crianças e suas famílias.

Que o ano de 2012 seja frutífero para todos nós!

Por Professora Karina Cabral

Nuvem de tags